27 junho 2008

Encerrar um capítulo, desta história

Este triste episódio da nossa luta contra a infertilidade foi mais ou menos, encerrado ontem, pelo menos no plano físico.

Fomos à consulta pós-ICSI ontem. Ainda vou levar algum tempo até que o meu corpo volte ao seu estado normal mas, estou preparada para isso. É bem pior recuperar emocionalmente...

Uma vez que houve gravidez, a médica que nos segue, propos-nos tentar mais uma ICSI. Por um lado fiquei aliviada porque pelo menos não temos que recomeçar do zero noutro lado e confesso que isso me estava a provocar uma enorme angústia! Por outro lado, acho que começo a perder a fé nestes tratamentos e tenho receio daquilo que o futuro me reserva. A esperança que me invadia cada vez que pensavamos em fazer um tratamento, deu lugar ao medo!

Conversei com a médica sobre as possíveis causas para este aborto, uma vez que apesar das perdas cada vez mais intensas e dolorosas, a Bhcg ainda subiu até aos 224. Senti que foi o meu corpo que rejeitou e expulsou o embrião e que, apesar de tudo ele "lutou" para se manter dentro de mim.

Antes de voltar a fazer outro tratamento, vou fazer um estudo completo da coagulação, pesquisa de trombofilias congénitas e adquiridas e uma pesquisa de auto-anticorpos. Se a causa estiver num destes problemas é possível prevenir a situação no próximo tratamento.

Enfim, neste momento precisamos mesmo de respostas e depois dos resultados dos exames que vou fazer e de uns meses de descanso, faremos uma 5.ª ICSI em 2009.

O R. é que está muito renitente em prosseguir com os tratamentos. Começa a tomar consciência que os riscos da estimulação e da própria FIV em si, são muito reais e receia pela minha saúde. Acho que também ele nunca pensou que fossemos passar por um aborto.

À nossa luta de há 4 anos para cá, acresce agora o fantasma do aborto! Aguardo para ver o que a vida me reserva...

Agradeço todas as mensagens de apoio e todo o carinho que recebi neste cantinho e no email. Muito obrigado!

Beijinhos

16 junho 2008

Infelizmente a minha felicidade foi efémera.
Na 6.ª feira comecei a ter perdas, fui à Urgência como me tinham indicado, se acontecesse, repetiram-me a beta e regressei lá no sábado para saber o resultado. O valor aumentou de 51 para 90. Mandaram-me par casa com indicação de repouso. Vim de lá com um pouquinho de esperança que não passasse de um susto, mas sempre com muito medo.
Ontem as perdas tornaram-se muito abundantes e acompanhadas de muitas dores. Liguei para a consulta para saber o que fazer a seguir e vou novamente lá amanhã, para excluir uma gravidez ectópica e confirmar o aborto.
Neste momento sinto-me devastada e esgotada. Não tenho forças para pensar no futuro nem sei se tornarei a arranjar forças para prosseguir neste caminho. É tudo demasiado doloroso! É um caminho de autoflagelação e o meu corpo e a minha alma estão doridos demais para pensar em continuar.
Também não sei o que fazer ao desejo tão profundo de ser mãe porque tenho plena consciência que, se deixar nas mãos da natureza, o mais provavel é que nunca venha a ser mãe!
Sinto-me atordoada com tudo isto!

12 junho 2008

Boas Novas da Cegonha!

A cegonha trouxe-me um POSITIVO, 51!
É um positivo tímido que me deixa insegura mas, é positivo!
Vou continuar a acreditar e a aguardar por uma evolução ainda mais positiva! Embora não me tenham mandado repetir a beta, vou fazê-lo para ficar mais descansada.

A par do positivo vieram de novo os sintomas da hiperestimulação, e por isso, vou continuar no repouso, embora já esteja quadrada!!!

Obrigado pelo apoio e pelo carinho. Este caminho difícil, seria muito mais complicado sem vocês!

Um beijinho grande
Lita