09 maio 2006

Ontem tive duas notícias que me tocaram muito.
Uma, fantástica, o positivo da Musa, notícia aguardada ansiosamente por todas nós.
Outra, muito triste e preocupante. Fiquei a saber que uma colega (outrora amiga que, sem qualquer explicação se afastou, deixou de atender o telefone e de responder às minhas mensagens ) está com graves problemas famíliares e financeiros, ao ponto de lhe ter sido apreendido o carro que deixou de conseguir pagar, de ter as prestações da casa por pagar há meses e, de ter sido, fiadora do namorado (que é o causador de toda esta tragédia) e ter também a casa dele com prestações atrasadas ao banco. Fiquei chocadíssima! Como é que uma pessoa pode chegar a isto, quando tinha um emprego estável, uma família que, mais ou menos, a apoiava e amigos que estavam presentes e disponíveis e que ela simplesmente, possou a ignorar tudo isso. Ela é uma pessoa inteligente, que sempre me pareceu ter um projecto de vida e bastou envolver-se com um indivíduo que tem um poder de ludibriação espantoso para deitar ao lixo a vida dela. Depois de tudo, ela ainda não o consegue ver como ele é. Para ela, ele continua intocável. É o mundo inteiro contra ele e ela só aceita as balelas que ele diz, não ouve mais ninguém! Para mim, o mais crítico de tudo, é que ela afastou-se não só de mim, mas pelo que percebi, de todas as pessoas que lhe querem bem, até dos pais. Já tentei ligar-lhe novamente e nada, o telemóvel toca até ir para mensagem. Deixei-lhe mensagem e nada. Tenho muito receio daquilo que ela possa fazer, que cometa alguma loucura de que não tenha tempo de se arrepender. Ela é uma pessoa emocionalmente muito instável, tem tido várias depressões.
Sinto-me um pouco culpada do nosso afastamento, porque talvez pudesse ter insistido mais quando tudo começou, talvez devesse tê-la procurado pessoalmente. O problema disto tudo é que casei em 2003 e vivo a 40Km de distância da nossa cidade natal e o contacto pessoal ficou mais limitado.
Espero, apreensiva por notícias, embora tenha muito receio das mesmas. Só peço a Deus que a guie e não a deixe cometer nenhuma loucura!

3 comentários:

Lita disse...

Minha querida,

Não te sintas culpada pelas decisões que outros possam tomar. Pode ser-te difícil aceitar a situação em que a tua amiga se encontra, mas não és tu a responsável.
Só é pena que ela continue envolvida com alguém que tão mal lhe faz, mas são as escolha da vida. Nada que lhe possas dizer a fará mudar de ideia. Terá de ser ela a perceber que está no caminho errado. Estas relações de obcessão são como o álccol e a droga, só sai quem realmente quer. Podes sim dar-lhe a tua amizade, mas se tentares abrir-lhe os olhos contra a pessoa que ela julga amar, perderás a amizade dela para sempre.
Para mim é uma situação que terá de ser gerida com muita subtileza.

Espero que corra tudo pelo melhor, muito sinceramente.

Beijinhos,
Lita

Lita disse...

Amiga, O R. é magro e tem uma barbicha? Ou é um técnico forte?
Se for um deles eu vi-os!!!

Beijinhos,
Lita

Lita disse...

Então vi-o lá!!!
Mas não foi ele que me fez a recolha de sangue foi uma técnica novinha.

Para a próxima digo-lhe que sou a outra Lita, eh, eh, eh.

Beijinhos,
Lita